segunda-feira, 11 de junho de 2018

Os Valores do Futebol - Museu de Valores do BC

Venha prestigiar a exposição "OS VALORES DO FUTEBOL", que conta com o apoio da AAMV - Associação Amigos do Museu de Valores.

A abertura será dia 12 de junho, às 10h30, no Museu de Valores do Banco Central do Brasil, em Brasília. A exposição têm como tema a XXI edição da Copa do Mundo FIFA - Rússia 2018. 
Clique na imagem para expandir

quarta-feira, 16 de maio de 2018

O Poder da Arte - Exposição na Galeria de Arte BCB

A Semana Nacional de Museus é uma temporada cultural coordenada pelo Ibram que acontece todo o ano em comemoração ao Dia Internacional dos Museus (18 de maio). 

O Banco Central convida para a abertura do módulo 3, O poder da arte, da exposição A Persistência da Memória, no dia 18/05/2018, às 10h30, como parte das comemorações da 16ª Semana dos Museus.

A exposição trata do surgimento dos principais museus e galerias no Brasil. No evento de abertura, Rachel Vallego proferirá a palestra “A galeria Collectio e a formação da coleção de arte do Banco Central”.
Clique na imagem para expandi-lá 
Fazem parte da mostra obras de artistas como Tarsila do Amaral, Portinari, Di Cavalcanti, Volpi e Babinski.

Na semana seguinte à abertura, entre os dias 22 a 24 de maio, os visitantes terão a oportunidade de acompanhar a primeira fase de restauro de três painéis de Portinari que ocorrerá na Galeria de Arte.  

Exposição: O PODER DA ARTE


sábado, 14 de abril de 2018

Restauração de Obra de Arte, Candido Portinari

A AAMV em apoio às atividades do Museu de Valores do Banco Central patrocinou o processo de restauro da obra de arte, SAMBA, óleo s/tela de 1956, do artista Candido Portinari. 

A intervenção na recuperação do quadro foi realizada em três de abril de 2018 pela especialista em restauração de obra de arte, Florence Maria White de Vera, nas instalações do Museu de Valores, em Brasília.


A obra de arte deverá ser cedida pelo Banco Central do Brasil, ainda neste mês de abril, para exposição a ser realizada no Museu de Arte do Rio - MAR.

SAMBA - 200,2 x 169,7 cm

sexta-feira, 2 de março de 2018

ANO 2017 - Projetos e Realizações AAMV


1.  Aquisição de Material de Apoio para o Museu de Valores
  • Serviços de impressão tipográfica em papel museológico e reproduções de peças numismáticas para exposição na Sala Brasil;
  • Paquímetro Digital para auxiliar na medição de peças numismáticas;
  • Detector de Dinheiro Falso;
    Reprodução de Peças 
  • Cinco livros “Catálogo de Cédulas”;
  • Livro “Medalhas do Brasil”;
  • Placas de Acrílico Premium para a Galeria de Arte


2. Automação de serviços comerciais
Adquiridos hardware e software de automação para os controles da “Lojinha do Museu”.

3. Diversificação dos meios de divulgação
Inaugurado novo canal de comunicação com vistas a fortalecer o contato entre os associados, público e instituições parceiras – página no Facebook.
Lojinha do Museu de Valores 

4.  Semana Nacional de Museus – XV Edição - 16 a 28 de maio de 2017

Com a exposição “A Persistência da Memória” – Módulo 1 “Brasil Brasileiro”  reinaugurada em 16 de maio de 2017 teve início as comemorações da Semana Nacional de Museus, evento anual promovido pelo Instituto Brasileiro de Museus – IBRAM.
Apoio AAMV: Contratação dos serviços de Programa Educativo de mediação da exposição para com o público formado por estudantes do 1º ano do ensino fundamental, de nível médio e universitário. Aquisição de infraestrutura para ambientação do espaço expositivo (Painéis e Vinis, pintura e impressões).

5. Primavera dos Museus – 11ª Edição – 18 a 22 de setembro de 2017

Galeria de Arte - MVBC
O Módulo 2 “Entre Configurações e a Abstração” da exposição “A Persistência da Memória” fez parte das comemorações oficiais do Instituto Brasileiro dos Museus – IBRAM - Primavera dos Museus.  A exposição inaugurada em 18 de setembro de 2017 ficará aberta até 27 de abril de 2018.

Apoio AAMV: Contratação dos serviços de Programa Educativo de mediação da exposição para com o publico formado por estudantes do 1º ano do ensino fundamental, de nível médio e universitário. Aquisição de infraestrutura para ambientação do espaço expositivo (Painéis e Vinis, pintura e impressões).

6. Participação na ”Colecionar 2017”

O maior evento de colecionismo do Continente Americano foi realizado no período de 24 a 29 de outubro de 2017, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília. 

A Associação participou do evento com a instalação de stand, oportunidade em que divulgou o Museu de Valores do BC e estreitou o relacionamento com os associados, colecionadores e público visitante.

7. Aniversário de 15 Anos de realizações da AAMV

Em cinco de dezembro foi comemorado o aniversário de 15 anos da Associação com  apresentação da mostra  "Dinheiro para que dinheiro", buffet e música ao vivo. Os totens criados para a mostra "Dinheiro para que dinheiro" foram doados ao Museu de Valores. Foi mais um evento coroado de sucesso onde compareceram amigos do Museu, funcionários e Diretoria do BC.


quarta-feira, 11 de outubro de 2017

"Colecionar 2017" - Participação da AAMV

A Associação Amigos do Museu de Valores vai participar do maior evento de colecionismo do Continente Americano deste ano, o "Colecionar  2017" que será realizado no período de 24 a 29 de outubro de 2017, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília DF.
Compareça e visite o stand da AAMV
Estarão reunidos no Colecionar 2017 espaços para a filatelia, a numismática, o artesanato, a exposição de carros e outros veículos antigos, e as flores, especialmente as orquídeas.






quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Peças raras no acervo do Museu de Valores - Parte I

A série de publicações que iremos apresentar sobre o título "Peças raras no acervo do Museu de Valores" tem por objetivo divulgar a imagem e as atividades do Museu de Valores junto à sociedade, dando conhecimento de suas pesquisas e de parte do seu acervo cultural.
"A autoria dessa matéria é do Banco Central do Brasil - Museu de Valores e suas publicações podem ser acessadas no sítio "bcb.gov.br".
"Museu de Valores do BC identifica mais peças raras no acervo"

Com um acervo de cerca de 135 mil itens, o Museu de Valores do BC tem promovido a identificação e a atualização de valores das peças. Até agora, em torno de 7 mil itens já foram analisados. “Muitas dessas peças têm alto valor no mercado, como as moedas de 960 réis. Em alguns casos, chegam a ter valor inestimável, por serem o único exemplar conhecido”, conta Karla Valente, chefe do Museu de Valores do BC.


O valor de cada peça pode variar muito, conforme a raridade dos itens. Se uma moeda de 6.400 réis de 1818 for bem conservada, por exemplo, ela pode valer R$9,5 mil. Mas se estiver “soberba” – com poucos arranhados –, o valor sobe para R$20 mil. “Quanto menor for o dano à peça ou a quantidade de riscos que ela tiver, ou menor o desgaste, mais cara ela fica. Se ela for ‘flor de cunho’, que é aquela peça que saiu da emissão e nunca circulou, que está intacta, brilhante, ela vale R$36 mil”, exemplifica a Karla Valente.
Feita em seda, a cédula de 500 marcos alemães que circulou em 1922 
é um dos itens raros analisados durante a pesquisa. 
A pesquisa é parte do Projeto Museu Legal, conduzido pelo BC em atenção a uma obrigação legal definida pelo Estatuto dos Museus (Lei 11.904, de 2009). 
O estatuto estipula que os museus elaborem e implementem um plano museológico - documento com missão, visão, objetivos estratégicos e programas do museu. Além da atualização dos valores do acervo, o projeto prevê ainda soluções para inventário e para monitoramento de parâmetros ambientais.

Conforme explica a chefe do Museu, quando uma peça é identificada, busca-se definir um valor atualizado com a média de valores encontrados em catálogos de numismatas, livros e sites de leilão. Se as peças são únicas e não tiveram valor atribuído em nenhuma das três fontes, elas são enviadas a um especialista em numismática, que auxilia o Museu na tarefa. 

Algumas peças raras podem ser conferidas no Museu de Valores do BC e há planos de se instalar um novo expositor destinado a exibir itens interessantes identificados durante o projeto. 

Segundo Karla, há grande quantidade de peças repetidas. A primeira parte do trabalho, então, será dedicada à atribuição de valor às peças-mãe, as primeiras catalogadas no sistema com certas características.

“Após 1965 e depois da criação do BC, o país já tinha certa padronização monetária. Por isso, possuímos muitas peças repetidas dessa época. A valoração dessas peças é mais fácil, pois fazemos uma única vez e depois apenas multiplicamos pela quantidade de peças repetidas para se chegar a um valor correto, avaliando apenas o desgaste da peça”, explica.

Pesquisa complexa e longa
A pesquisa do acervo numismático envolve a participação de estudantes de História e de Museologia.  “Estamos fazendo essa análise de valoração peça por peça. Será um trabalho longo, demorado. Nossa meta é chegar à valoração de 30% do acervo em setembro de 2018”, afirma a chefe do Museu. 

Além das cédulas e moedas, o Museu de Valores possui outros artigos em seu acervo, como a folha utilizada pelo designer Aloísio Magalhães para desenhar a nota de cruzeiro. Outros exemplos são testes e provas de cor de designers e objetos que eram da Casa da Moeda . “Esse tipo de artigo só o BC tem e é muito difícil atribuir valor a eles, pois não existe catálogo nem sites de leilão para isso”.

A moeda de 960 réis cunhada sobre rúpias indianas, presente no acervo do Museu 
de Valores do BC, também é considerada rara no mundo numismático.
Além disso, há medalhas que servem para contar um momento da história e não têm valor monetário; condecorações, muitas das quais possuem pedras preciosas como diamantes, esmeraldas e rubis; cinco documentos de memória (autorização de imperador para cunhar moedas, ou diploma da medalha comemorativa do centenário de Oswaldo Cruz, por exemplo), documentos de valor (apólice que não chegou a ser cédula), instrumentos de garimpo e artigos de ouro não-amoedado, como as pepitas e as barras de ouro".

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Sociedade Numismática Brasileira visita o Museu de Valores

Na manhã desta quinta-feira, 1 de junho, o Museu de Valores do Banco Central recebeu a visita do Vice-Presidente da Sociedade Numismática Brasileira - sr. Marcelo Tibúrcio.

Para recepcionar a ilustre visita estava presente a presidente da Associação Amigos do Museu de Valores, sra. Telma Ceolin. A foto que registrou o encontro  foi tirada no ambiente da Lojinha do Museu, espaço administrado pela Associação. 
Telma Ceolim (AAMV) e o Sr. Marcelo Tibúrcio (SNB)